Tem um e-book grátis que vai falar tudinho pra você sobre os nossos cães vira-latinhas. Link neste blog.

Escolha seu idioma - Select your language - Elija su lengua

Escolha seu idioma - Select your language - Elija su lengua

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Adotando um gato adulto: mitos que caíram por terra com a chegada do Toddy

A adaptação de Toddy na família Bichos de Companhia

A chegada do Toddy na família Bichos de Companhia não foi exatamente planejada. Confesso que não pensava em adotar mais um cão ou gato. Mas o Toddy apareceu pedindo ajuda. E antes de trazê-lo para casa, aí sim, planejei tudo para a sua chegada: desde a colocação de telas nas janelas – já que estamos no sétimo andar, um check-up com o veterinário Marcelo Lobão, do Hospital Veterinário de Urgência 24h (HVU 24h), um banho, vermifugação, vacinação completa, até a aquisição de duas bandejas de areia, a própria areia higiênica, pazinha para limpeza da caixa, ração, vasilhinhas para comida e água, um arranhador para salvar o meu sofá (risos), um brinquedinho de varinha com um ratinho na ponta – que ele amou. E, por fim, a apresentação de Toddy às irmãs caninas, editoras dos canais Bichos de Companhia, Esperança e Flor.


A colocação de telas de proteção
é essencial para quem adota gato
e mora em apartamento


O pedido de ajuda

Há pelo menos um ano, Toddy apareceu no sítio da minha família. Muito dócil, ele facilmente nos conquistou. Mas ninguém tomou a iniciativa de tirá-lo de lá. Providenciei a castração dele e contei com a colaboração do caseiro em alimentá-lo com ração – e às vezes patê, duas vezes por dia. Fato é que ele ficava sozinho o tempo todo e só tinha contato com minha família aos finais de semana.

Duas semanas atrás, o caseiro informou que Toddy havia tido três episódios de desmaio seguidos de espasmos e convulsão. Claro, que busquei o gatinho e o levei ao veterinário. Ficou em observação e não teve nada. Fez o check-up que disse no início do texto e, enquanto isso, providenciava a colocação de telas com o pessoal da Acquaredes BH que ofereceu melhor custo/benefício e no prazo que precisava. Sim, estava na minha última semana de férias e só tinha o prazo de sete dias para acompanhar a adaptação dele com as minhas cachorras.

A adoção



Adotar um gato é algo ainda mais difícil nos dias de hoje em relação aos cães. Muito preconceito e mitos ainda cercam o convívio com os gatos. Adotar um gato adulto, então, algo ainda mais complexo para muita gente. Aliás, filhotes em feiras de adoção – de cães e gatos – saem muito rápido. Mais um mito que embala os adotantes que acreditam ser mais fácil “educar” um filhote. Eles se esquecem que o filhote, em geral, vai chorar com frequência pela separação da mãe e dos irmãos da ninhada, fazer xixi e cocô para filhotinhos é um dilema. O animal adulto, ao contrário, aprende tudo isso numa facilidade assustadora que a única explicação é o sentimento de agradecimento sem tamanho que bichinho adulto quer demonstrar em forma de lealdade.


Do nosso canal no YouTube: se gostar, se inscreve e dê um like. 





Sucesso na adaptação

Em três dias, Toddy já estava completamente adaptado e é a prova de que os pre (conceitos) de se adotar um gato adulto realmente não passam de mitos e desculpas. A paciência, o amor, o respeito são os ingredientes para o sucesso da adaptação. Tudo isso com os cuidados e preparação que falamos no início.

Razão que fez o Toddy ficar

Muito além da docilidade extrema do Toddy, a saúde dele foi a principal razão que forçou a barra para ele ficar com a gente. Lembra que dissemos que ele teve episódios de desmaio? Pois é, esse episódio se repetiu na nossa casa no segundo dia de convívio. Voltamos com ele ao veterinário e após exames de sangue, a equipe do HVU 24h descartou suspeitas e trabalha com o diagnóstico de epilepsia. Sim, Toddy é um gatinho epilético. E já iniciou o tratamento com o medicamento Gardenal diariamente. E desde então, graças a Deus, não teve mais convulsões.

Medicamento para gato

Não, não é mito que é bem mais difícil dar remédio para gato que para cachorro. Até porque como cachorreira assumida e nada gateira até agora tenho medo de abrir a boquinha do gato e levar uma mordida de seus dentinhos caninos afiados. Mas, o Toddy é realmente muito bonzinho e o meu medo é que é o maior empecilho. O Marcelo Lobão emprestou um aplicador de silicone que ajudou no primeiro dia. No segundo dia já não deu tão certo. Consegui manter a calma, pedi a Deus e apostei no patê. E vem dando certo e é bem mais fácil.


Deixe que o gato explore o
ambiente e descubra os
cantinhos onde se sinta
mais seguro


  • ·        Deixe o gato no tempo dele. Não force as situações
  • ·        Deixe que ele explore o ambiente naturalmente
  • ·        Faça carinhos quando fizer coisas que considerar legais e certas
  • ·        Chame a atenção, com um NÃO mais forte, quando fizer coisas que não for legal e que não queira que ele aprenda
  • ·        Dê a comida em horários regulares (gatos adultos precisam se alimentar duas vezes ao dia) e, preferencialmente, em lugares mais altos – isso porque aqui temos as cachorras
  • ·        Apresente o gato às cachorras devagar. Até porque os gatos se assustam facilmente com movimentos um pouco mais bruscos. Brinque com ele e as cachorras junto. Faça carinho neles junto
  • ·        Tome cuidado para o gato não se esconder em armários e não seja esquecido lá dentro. Por aqui, entrar no armário é situação indesejada por causa desse risco e chamamos a atenção dele
  • ·        Deixe que o gato e as cachorras transitem livremente e, se tiver algum estranhamento, deixe que eles resolvam, mas interfira somente se ficar grave.
Caixa de areia: aprendemos uma coisa bem legal que tem feito muito sentido com a gente. Os gatos não usam a caixa de areia se estiver muito suja. Alguns costumam fazer suas necessidades do lado de fora quando a não está limpa. E não adianta chamar atenção dele porque se o tutor não limpar, ele vai continuar fazendo sujeira do lado de fora. 
E a gente aprendeu que o ideal é ter uma caixinha de areia a mais em relação ao número de gatos na casa. Ou seja, aqui tem o Toddy e duas caixinhas de areia. 

6 comentários:

  1. Hair & Makeup

    A make-up craftsman or cosmetics craftsman is a craftsman whose medium is the human body, applying cosmetics and prosthetics on others for theater, TV, film, design, magazines and other comparable creations including all parts of the displaying business. Grants given for this calling in media outlets incorporate the Academy Award for Best Makeup and Hairstyling[1] and even a few media outlet grants, for example, the Emmy Awards[2][3] and

    ResponderExcluir

O Bichos de Companhia agradece o seu contato. Em breve, enviaremos sua resposta.